Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em nome do amor

É em nome do amor, e talvez por amor. É com nome próprio e de alma própria. É o lugar onde as palavras são mais do que elas. São simplesmente aquilo que quero que sejam, amor.

Em nome do amor

É em nome do amor, e talvez por amor. É com nome próprio e de alma própria. É o lugar onde as palavras são mais do que elas. São simplesmente aquilo que quero que sejam, amor.

Senta-te, tenho um lugar vago

Gosto de saltar fora da bolha. Olhar. E respirar. Andamos tão entretidos com a vida que nunca tinha pensado numa simples mesa de café. Sempre acompanhada por duas cadeiras, no mínimo. Aquele segundo fora de mim, da azáfama do quotidiano fez -me pensar. Ora claro, um café deve sempre ser acompanhado de alguém. Duas cadeiras, duas pessoas, duas almas. Nem que seja para arrancar cabelos, um café pede sempre dois corações à mesa. Preferencialmente entretidos um no outro. E acompanhados de uma bela gargalhada. Eu vou tomar café. Puxa a cadeira e senta-,te, tenho um lugar vago e o coração cheio.

passagem-cabec3a7a-de-alfinete-1.jpg

 

4 comentários

Comentar post