Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em nome do amor

É em nome do amor, e talvez por amor. É com nome próprio e de alma própria. É o lugar onde as palavras são mais do que elas. São simplesmente aquilo que quero que sejam, amor.

Em nome do amor

É em nome do amor, e talvez por amor. É com nome próprio e de alma própria. É o lugar onde as palavras são mais do que elas. São simplesmente aquilo que quero que sejam, amor.

Sobe, sobe, balão sobe

Nem ligava muito a esta coisa dos santos populares. Quando era miúda o ritual repetia-se. Camisa engomada com cheiro a sardinha e calça manchada do que não pingava no pão. O copo de vinho tinto, a fogueira no cimo da rua da urbanização e o bailarico popular. E santo comemorava-se numa noite longa e quase sempre orvalhada. Hoje, as sardinhas, continuam a não ser a minha preferência em vez disso, um jantar qualquer patrocinado por uma jarra de fruta mexida com açúcar , uma bebida translúcida doce. Há que evitar as quebras de tensão. A rua é o palco que acolhe dezenas de corações nesta noite. E ainda que não hajam cambalhotas na relva, mecos de pedra a mexer, nem autógrafos do Zé Amaro no peito, música há sempre. E festa também. S. João, S. João, da cá uma som para eu dançar.

741a099f61baf4e3d7cee98e859e8985.jpg

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.